Projeto Lean: de volta às origens para evitar desperdícios

Nascido no Japão, mais especificamente no interior das fábricas da Toyta, o projeto lean, lean manufacturing ou sistema Toyota de produção, tem a costumeira objetividade característica da eficiência japonesa.

Por isso, resume seus objetivos em 7 desperdícios que devem ser evitados.

Com o tempo, essa ideia foi sendo melhorada, adaptada e até romantizada.

Hoje, a quantidade de leans empregados nas empresas vão da criação de startups ao gerenciamento de projetos de desenvolvimento de produtos.

Que tal dar um mergulho no passado e relembrar quais otimizações e melhorias o lean manufactouring buscava implementar na empresa e que deram origem ao projeto lean?

Saiba mais: Guia: melhoria da performance com Lean

Os 7 desperdícios a evitar durante um projeto lean

A ideia da manufatura enxuta, a origem do projeto lean, foi criada pelo engenheiro Taiichi Ohno, quando a reconstrução do Japão, depois da Segunda Grande Guerra Mundial, exigia muita eficiência e uso otimizado dos recursos empregados.

Os aprendizados de Ohno culminaram nestes 7 itens que devem ser observados para que um projeto lean tenha sucesso.

Mesmo Eric Reis, com suas ideias inovadoras sobre lean startup, veio beber nesta fonte tão abundante.

Por isso, a importância de relembrar estes conceitos tão difundidos e empregados nos dias atuais, mas nem sempre percebidos sob o disfarce de templates e quadros cheios de post-its.

Se você está acostumado a fazer a modelagem de processos, vai reconhecer muito do que vamos falar a seguir.

1- Espera

O famoso gargalo vai gerar uma espera por um produto, componente, serviço, autorização ou informação que não chegou a tempo de manter o processo fluindo em seu andamento adequado. Isso deve ser evitada a todo custo.

Qualquer tipo de espera desnecessária gerará atrasos e aumento de custos, prejudicando um projeto lean.

2- Defeito

A detecção de defeitos e a descoberta de suas causas são fundamentais. Uma técnica usada na época era o famoso diagrama de Ishikawa e os 5 porquês.

Essas ferramentas para se descobrir as verdadeiras origens das não-conformidades podem ser usadas ainda hoje em projetos lean.

Confira: O método dos 5 porquê em busca da qualidade

3- Transporte

É muito importante buscar maneiras de evitar ao máximo a necessidade de transporte em um projeto lean.

Além do custo, dos riscos e da demora, atualmente o fator ambiental também tem pressionado as empresa a buscarem fornecedores locais ou se instalarem próximas dos centros de produção de seus maiores insumos, entre outras medidas.

Veja também: Modelo de negócio canvas lean: para startups e grandes negócios

4-  Movimentação

Em uma linha de produção ou mesmo na prestação de serviços, movimentações desnecessárias trazem mais tempo para se executar tarefas.

A não ser que agregue algum valor aos produtos ou serviços, as movimentações devem ser evitadas.

Por exemplo: manter alimentos em um freezer acarretará a movimentação destes ingredientes para a cozinha de um restaurante, mas esta movimentação é necessário para a boa qualidade dos refeições servidas.

5- Excesso de estoque

Essa, sem dúvida, foi um das grandes sacadas da metodologia e que deve ser empregada em um projeto lean até hoje.

Custos de estocagem são enormes, envolvem a manutenção de grandes áreas, segurança, pagamento de seguros, riscos de perda e, no final das contas, são um capital desperdiçado, que deveria estar sendo empregado em outra coisa.

Leia mais: Lean e kanban boards são a mesma coisa? Afinal, qual a diferença?

6- Excesso de produção

É o excesso de produção que leva ao excesso de estoque, para começar.

Além disso, alguns produtos são perecíveis e a produção além do que pode ser vendido levará a prejuízos enormes.

Confira também: Não confunda mais: Agile, Scrum e Kanban

7- Processamento desnecessário

Foi determinado que um produto deve ser embalado em uma caixa de papelão de gramatura 300 e lacrado com uma única fita adesiva comum.

Imagine que por erro de procedimento este produto seja envolto em papel de seda, depois colocado na caixa de papelão e, por fim, lacrado com uma fita silver tape, para evitar danos ou roubos.

Se o processo havia sido considerado seguro da outra forma, por que acrescentar estes custos extras? Esse é o chamado processamento desnecessário ou superprocessamento.

Como você viu, um projeto lean que se basear nestes 7 itens, com certeza evitará uma série de desperdícios desnecessários.

Confira este infográfico representando cada um dos desperdícios a serem evitados em um projeto lean:

projeto-lean-01

Fonte: Smart Consultoria Jr.

 

projeto-lean-02

Fonte: Pinterest

 

Post anterior
Passo a passo para a gestão de incidentes ITIL
Próximo post
Solucione problemas com 3 técnicas de brainstorming

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu